MARKETING DO BUDA E SUA BLASFÊMIA

Campanha chama turistas para boicotar lembranças de Buda
December 2, 2019
Violência contra Buda — Uma História da Blasfêmia
December 2, 2019

MARKETING DO BUDA E SUA BLASFÊMIA

Conferência Budismo

12 Outubro 2016

Fora de uma das ruas movimentadas de Banguecoque está uma estrada sinuosa enfeitada com empresas, condomínios, uma Igreja Cristã,

e perto do seu fim, a Escola da Vida. É aqui que se pode encontrar a base de operações para o

Conhecendo a Organização Buda.

Com apenas quatro anos de idade, o KBO possui mais de 5.000 membros e lançou campanhas para proteger

Imagens de Buda na França, Alemanha, Holanda, Estados Unidos e Tailândia. KBO é a ideia de um jovem tailandês

empresário virou mestre de meditação, Acharavadee Wongsakon.

Desde a sua criação, a organização coordenou com sucesso 100 casos para proteger imagens de Buda em todo o mundo. Muitos dos

as campanhas da KBO foram bastante bem sucedidas.

Imagens de Buda nas tampas do vaso sanitário foram removidas na França, poses sedutoras na frente de Buda

imagens na revista Maxim foram canceladas. Em 2013, a empresa holandesa Boels criou caixas sanitárias imagem Buddha em Brunssum,

Países Baixos. KBO escreveu à embaixada em 25 de janeiro de 2013, solicitando que o governo tomasse medidas. Países Baixos

responderam imediatamente; eles ordenaram a remoção das caixas de banheiro e seguiram com uma carta de desculpas em 15 de fevereiro de 2013.

KBO considera esses problemas o resultado de uma ignorância geral sobre o budismo.

Em um mundo de comercialização em massa que transforma cabeças de Buda em vasos de flores, o KBO atua como um censor transnacional. Acharavadee vê a Tailândia como parte integrante do problema global maior de desrespeitar as imagens de Buda. Embora a maioria dos tailandeses não desrespeite as imagens, eles produzem em massa e vendem essas imagens para estrangeiros, que as levam para o exterior e as usam para vários interesses comerciais. Uma das maneiras de combater este problema foi através de protesto contra a fabricação de cabeças de Buda. Acharavadee canalizou suas habilidades empreendedoras e

táticas de negócios em produções artisticamente poderosas do site KBO, página do Facebook, displays LCD, outdoors, DVDs e

livretos.

Seus esforços não foram recompensados. Há um amplo apoio da KBO; além de seu crescente número de membros,

a organização recebe contribuições significativas de empresas tailandesas locais e nacionais. KBO é composto em grande parte de Thais educados,

a maioria dos quais são do sexo feminino. Sua ampla adesão também atrai tailandeses locais que ocasionalmente se juntam em suas marchas, como o anual

protesto pelas famosas ruas mochileiros de Khao Sarn Road. Eles postam folhetos no Grand Palace favorito do turista e enviaram uma campanha de vídeo para a Thai Airways.

A maioria das bolsas de estudo sobre o budismo e a globalização rastreiam as maneiras pelas quais os budistas usam tecnologias para melhorar a disseminação do dhamma e o crescimento de organizações transnacionais budistas. Embora a globalização forneça promessas, ela também fornece problemas. Na Tailândia, a Organização do Buda Conhecedor de Acharavadee procura corrigir a comercialização global da imagem de Buda, que eles consideram uma profanação do sagrado.

Este artigo examina os métodos em que a Organização do Buda Conhecendo (KBO) se envolve no consumismo de imagens de Buda internacionalmente e em nível nacional. Este artigo baseia-se no trabalho etnográfico com praticantes e organizadores da KBO e localiza seus esforços no discurso mais amplo sobre o budismo e a blasfêmia.

%d bloggers like this:
The Buddhist News

FREE
VIEW